Delícia de doce: os pimpolhos vão amar!

Mais uma semana se inicia e com ela os sabores deliciosos de doces e salgados... hummmmm!!!! Você já pensou na sobremesa que quer oferecer ao seu pimpolho hoje? Ainda não?! Que tal preparar algo diferente, um doce caseiro com arroz, maçã e morango?
Bom, separamos os seguintes ingredientes para essa gostosura:

4 colheres (sopa) de arroz branco;
3 colheres (sopa) de açúcar;
2 e 1/2 xícaras de leite integral;
2 maçãs vermelhas pequenas (sem casca), picadas em cubos e regadas com 2 colheres (sopa) de suco de limão);
Casca ralada de 1/2 limão;
200g de morangos cortados ao meio;
1 copo de iogurte natural.

Agora que você já sabe o que vai precisar e depois de ter separado todos os ingredientes, está na hora de colocar a "mão na massa".

Leve o arroz ao fogo, junto com o leite e as raspas de limão até começar a ferver. Deixe cozinhar até o arroz ficar macio e ter absorvido a maior parte do leite. Em seguida, retire do fogo e adicione 1 colher (sopa) de açúcar. Deixe esfriar.
Em outra panela, cubra a maçã com água fria e cozinhe até que fique macia (mas não muito mole). Acrescente o morango e deixe ferver por tês minutos, sem mexer. Desligue o fogo, junte o açúcar restante e mexa devagar. Leve à geladeira por cerca de uma hora.
Enquanto isso, misture o arroz ao iogurte e deixe gelar por uma hora. Monte as taças com uma camada de arroz-doce e outra de frutas cozidas. Por fim, decore com a casca de limão e sirva.

A criançada vai amar!

Bom apetite!!!!

Construindo Olhares


A dica de diversão e cultura do Catavento hoje é a Exposição “Construindo Olhares”. A mostra é uma realização da Escola AMA e reúne obras de mais de 70 crianças, com idade entre um e seis anos.

Os pequenos artistas utilizaram técnicas como pintura com tinta acrílica, guache, massa acrílica, colagens e giz de cera para retratar o universo ao seu redor. 

A arte, desde os primeiros anos de vida, ajuda a criança a perceber, a observar e a participar mais do que acontece no mundo.

Também, desenvolve a sensibilidade dos pequenos ajudando-os a enxergar possibilidades variadas para as situações do seu cotidiano. A exposição fica em cartaz até 02 de dezembro e acontece na Galeria Arte Viva, localizada no Shopping Paralela.



Exposição coletiva de crianças
Onde: Galeria Arte Viva – Shopping Paralela (piso L2)
Quando: até 2 de dezembro, das 10h às 22h
Quanto: Gratuita

Brincadeira de hoje: pular elástico

Hoje nós vamos ensinar uma brincadeira muito legal: pular elástico!

Para isso nós vamos precisar de dois metros de elástico (daqueles não muito grossos, utilizados em roupas). Para brincar é preciso, pelo menos, três pessoas.

Com o elástico em mãos, una as duas pontas. Pronto! O brinquedo já está preparado para o uso!

Duas crianças passam o elástico pelas pernas, ficando uma em cada lado, formando um retângulo. A outra é quem vai começar pulando, ora pulando dentro, ora pulando fora, ora cruzando o elástico.

A brincadeira de elástico é simples. Ao acertar a quantidade de pulos, o jogador vai passando de etapa. A primeira etapa é com os elásticos nos calcanhares das duas crianças que o seguram; a segunda é nos joelhos; a terceira etapa é com o elástico nos quadris; a quinta nos bustos e a sexta no pescoço. Podem perceber que a dificuldade de pular aumenta conforme as etapas, já que vai ficando cada vez mais alto.

Pode-se começar da seguinte maneira:
Etapa 1: pulando cinco vezes;
Etapa 2: pulando seis vezes;
Etapa 3: pulando sete vezes
Etapa 4: pulando oito vezes
Etapa 5: pulando nove vezes
Etapa 6: pulando dez vezes


É importante ressaltar que a brincadeira, além de divertir, favorece o raciocínio e a concentração dos pequenos.

Para facilitar a compreensão, separamos esse vídeo:




Vamos fazer um livro?

Aqui no blog já demos dicas de vários tipos de livros para a criançada. Livro convencional, livro pop-up, livro interativo, ufa...são muitas as possibilidades. Hoje, a sugestão é que você mesmo faça um livrinho.

Isso! Você mesmo confecciona diferentes exemplares usando feltro, botões e apliques.
Não precisa nem de máquina de costura. As páginas podem ser coladas ou costuradas a mão.  

O livro de pano já existe no mercado editorial há pelo menos 30 anos. No início, a maioria tinha como enredo os contos de fadas. Atualmente eles são mais voltados para os bebês, por causa da maciez e da resistência.

Mas não são somente os bebês que vão se amarrar neste tipo de livrinho, crianças maiores também serão atraídas por este tipo de “publicação”. E, com sua ajuda, elas também podem confeccionar seus próprios livros.

Em escolinhas e creches, além de estimular a criatividade, eles são usados, por exemplo, para desenvolver o tato, se as páginas tiverem diferentes texturas. Então, aproveite o fim de semana e mergulhe nesta arte que proporcionará prazer para vocês e seus filhotes!

O que preciso?

1 pedaço de feltro cor de laranja com 42,5 por 22,5 centímetros 

2 pedaços de feltro amarelo: 1 com 40 por 20 centímetros e 1 com 14 centímetros de lado 

2 pedaços de feltro rosa: 1 com 40 por 20 centímetros e 1 com 14 centímetros de lado 

3 pedaços de feltro azul: 1 com 40 por 20 centímetros, 1 com 14 centímetros de lado e 1 com 13 por 5 centímetros 

Retalhos de feltro de diversas cores 

Apliques variados 

Botões coloridos 

 Velcro 

Agulha e linhas para bordar de diversas cores 

 Alfinetes 

Tinta relevo preta, vermelha e amarela 

Cola para tecido 

Tesoura 

Como fazer?

Planeje as páginas e recorte em feltro os cenários de floresta, praia e cidade. Coloque na horizontal o tecido azul com 40 por 20 centímetros e imagine uma divisão central. À direita, monte o cenário da floresta. Do lado esquerdo, ponha o feltro de 14 centímetros. Ele funcionará como bolso. Alfinete tudo e alinhave com a linha de bordar. Depois, retire os alfinetes. 
Fixe os apliques na página usando os botões, a cola para tecido e o velcro (que permite trocar personagens). Vários deles podem ficar guardados no bolso. Outra opção versátil é deixar um aplique pendurado por um pedaço de linha. Nesta página do exemplo, o macaco vai de um lado para o outro ou se esconde no bolso. 

Para compor as páginas que mostram os cenários da praia e da cidade, repita os procedimentos anteriores, colocando diferentes elementos. Os peixes e os coqueiros são apliques e as janelas dos edifícios e as faixas da rua na cidade foram feitas com tinta relevo.

Dobre as três páginas ao meio e coloque uma sobre a outra. Cubra-as com o pedaço de feltro laranja e faça um alinhavo do lado esquerdo unindo todas elas. Decore o tecido azul de 13 por 5 centímetros com figuras similares às usadas nas páginas e aplique na capa com cola. Assim fica fácil para o leitor identificar o tema do livro. 

Cole a contracapa do livro nas costas da primeira página. Depois, as costas da segunda página no verso da terceira e assim por diante até unir todas


Porque meu filho tem que lavar as mãos?

Vamos falar agora de um assunto muito importante tanto para as crianças, quanto para os adultos: lavar as mãos. Todo mundo sabe que os pequenos são danados para levar as mãos à boca. Para eles, isso é algo tão natural, que nem sempre é possível parar para perceber o ato.

Conforme a Organização Mundial da Saúde, o simples fato de lavar as mãos já reduz em até 40% o risco de contrair doenças, como gripes, resfriados, herpes, conjuntivite, diarreia, infecção estomacal e até mesmo dor de garganta. Além disso, a lavagem correta das mãos evita a contaminação por germes que estão presentes em toda parte.

De acordo com o diretor de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, em entrevista ao site saúde.gov.br, Cláudio Maierovitch, as mãos são as principais vias de transmissão de vírus. "Em geral, as mãos são a parte do corpo que mais tem contato entre uma pessoa e outra e as pessoas, em geral, usam as mãos pra diversas coisas, costumam passar a mão nos olhos, no nariz, na boca, no corpo, muitas vezes, sem perceber; assim como tocam diversos objetos e todas essas podem ser fonte de micro-organismos que causam doenças e a sua transmissão pode ser muito reduzida se as pessoas lavarem as mãos adequadamente", afirmou. 

O mesmo vale para os adultos, principalmente quando eles têm crianças. Evite pegar os pimpolhos sem lavar as suas mãos, pois você também pode transmitir inúmeros vírus para eles. O correto, ao chegar em casa, é antes de tudo correr para o banheiro e tomar um banho bem tomado. Agora, se você não tem como tomar banho antes de ter contato com o seu filho, pelo menos lave as mãos. Depois você pode aproveitar para brincar com as crianças.

Mas, você sabe a forma correta de lavar as mãos? Aprenda e aproveite para ensinar ao seu filho e à sua filha:



Buquê de frutas!

A estação mais quente do ano pede que abusemos de frutas, sucos, sorvetes, picolés, enfim, tudo que possa hidratar e refrescar! O Catavento Colorido traz uma deliciosa e refrescante sugestão que vai alegrar nossos pequenos.

Experimente fazer esse colorido arranjo de frutas em formato de flores. Além de enfeitar a mesa, esta é uma maneira divertida de fazer as crianças consumirem alimentos supersaudáveis. Vamos lá?





Você vai precisar de:
Kiwi
Melancia sem semente
Abacaxi
Cortador de massa ou biscoito em formato de flor
Boleador de frutas (aquele que faz bolinhas)
Uva ou framboesa
Espetinho de churrasco

Descasque o kiwi, mas mantenha a casca da melancia e do abacaxi. Corte uma ponta da melancia com cerca de oito cm de espessura e coloque em uma tijelinha. Ela será a base do arranjo.
Corte pedaços de melancia e rodelas de abacaxi e kiwi, com aproximadamente 1,5 cm de espessura. 

Use o cortador de massa ou biscoitos para cortar as flores no centro de cada pedaço de melancia e abacaxi. Em seguida, use o boleador de frutas para fazer um pequeno buraco no centro de cada flor.
Use a criatividade e faça outros buquês
Se as frutas (já no formato de flor) estiverem com muito suco, seque-as com papel-toalha absorvente. Em seguida, coloque-as numa superfície plana e insira uma uva ou framboesa no “miolo” de cada flor. Você também pode usar o boleador para fazer uma bolinha com kiwi e usá-la como miolo da flor.

Passe o espetinho pela flor, desde a base, seguindo pelo “miolo” e alcançando a parte superior, sem deixar aparecer a ponta. “Plante” as flores na tijela, empurrando a parte inferior de cada espetinho na fatia de melancia.

Por último, espete as rodelas de kiwi e adicione-as no buquê.


O casamento de dona baratinha

Quem nunca ouviu e cantou aquela cantiga “Era uma vez uma baratinha que queria, que queria se casar. Saiu voando procurando seu barato, mas seu barato está difícil de achar. Quem quer casar com a dona baratinha? É bonitinha e também sabe dançar o tch, tcha, tcha...”?

Pois é, a história da dona baratinha vai ser contada no espetáculo O casamento de dona baratinha, Teatro Gil Santana (Teatro Molière - Aliança Francesa, avenida 7 de Setembro, 401, Ladeira da Barra), no próximo fim de semana, dias 28 e 29 de novembro, às 16h. A entrada custa R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia).

Para quem não sabe, a dona baratinha queria se casar, mas não arrumava nenhum barato que a quisesse namorar. Um belo dia, ao limpar a sua casinha, ela encontrou um baú cheinho de dinheiro. Como sempre, a notícia logo se espalhou pela redondeza e os pretendentes logo começaram a aparecer.

O que será que vai acontecer com a dona baratinha? Será que ela vai se casar? Será que o noivo escolhido é o João Ratão?

Livro sonoro: O soldadinho de chumbo


O Catavento Colorido tem uma dica muito legal para a criançada: o livro sonoro! É um tipo de publicação que estimula os sentidos da garotada. 

Eles são indicado para crianças menores por conterem poucos texto, muitas imagens e explorar os sons, é claro! 

A nossa indicação é o “O soldadinho de chumbo”. Um clássico conto de fadas adaptado. Leia cada página para seu filhote. Ele se divertirá com as ilustrações e apertará os botões em cada página para ouvir a história!


Cuidado sempre na escolha do livro para seu filho. Se comprar livros complexos demais, ele provavelmente ficará desestimulado. 


Aperte os botões e ouça a história
Por outro lado, os livros muito simples, fáceis ou repetitivos, podem deixar seu filho entediado. O ideal é oferecer livros diversificados, interessantes e até desafiadores, mas indicados para a fase cognitiva em que ele se encontra.


Superproteção dos pais pode prejudicar filhos na idade adulta


No último domingo (22), o programa Fantástico exibiu uma matéria super interessante sobre a superproteção dos pais. Você sabia que esse tipo de atitude na infância pode ocasionar sérios prejuízos na vida adulta do seu filho? Vale a pena conferir!


Vai uma água de coco?

Com o calor que está fazendo, nada melhor do que desfrutar de uma boa água de coco. Docinha e refrescante, as crianças, geralmente, amam! Agora, você sabe porque deve oferecer água de coco para o seu filho?

Inúmeros são os benefícios dessa bebida, especialmente para as crianças que estão em movimento o tempo todo. Pensando nisso, o Meu Catavento Colorida elegeu sete benefícios para que você possa decidir por oferecer água de coco para os pimpolhos.

O primeiro benefício apontado é a hidratação. A água de coco pode repor os fluídos e fornecer outros nutrientes que não estão presentes na água regular; em seguida podemos pontuar a aceleração do metabolismo, já que este tipo de água é naturalmente livre da adição de açúcares (apenas o açúcar natural), de gordura e possui um baixo valor calórico. Beber água de coco dá ainda mais energia para as crianças!

Outro benefício é a combinação perfeita entre a quantidade de sódio e de potássio. Essa combinação colabora com a redução e a regularização da pressão arterial. Além disso, a água de coco colabora com a prevenção de doenças, pois possui propriedades anti-virais.

Beber água de coco ajuda a remover as toxinas acumuladas no corpo humano ao longo do dia. É importante lembrar que o corpo necessita de um alto nível de oxigênio para o bom funcionamento dos órgãos e a água de coco colabora no transporte desse oxigênio e na nutrição para as células.

Ahhhh, e se o seu pimpolho se queimou com o sol, ou se sofreu uma pequena queimadura na pele, passar um pouco de água de coco ajuda a amenizar a ardência. Ela pode, ainda, ajudar a curar queimaduras internas no esôfago, ocasionadas por refluxo ácido.

Viu quanto benefício? Que tal oferecer água de coco para os seus filhos?

Pipoca colorida!


Férias aí na porta. Meninada a todo vapor em casa! Nosso incentivo? Já com ela para a cozinha para fazer uma receitinha simples e deliciosa. 

Para acompanhar um filminho na TV, num dia de chuva, num fim de semana ou na hora que quiser, pipoca é o que há, gente! Se for doce, então...
 Vamos à receita!
Coloque em uma panela grande ou na pipoqueira:
1 xícara (café) de óleo
1 xícara (café) de açúcar
1 xícara (café) de água
1 xícara (café) de pipoca
5 ou 7 gotas de corante alimentício da cor que você preferir (de boa qualidade pra não ficar com aquele gosto amargo na boca que ninguém merece!)

Liga o fogo e mexe bem até a pipoca começar a estourar. Tampa e diminui o fogo para o mínimo.
Balança a panela de vez em quando e, quando parar de estourar, pode desligar e servir.
Bom demais!



Grupo Contação da Alegria apresenta "Reconto: Chico Juba"

Sabe aquela fase em que as crianças começam a prestar atenção nos detalhes, como cabelos, cor da pele e cor dos olhos? Pois é, temos uma dica cultural bem bacana para os papais e mamães que querem mostrar aos pimpolhos que eles são lindos do jeito que são: Reconto: Chico Juba.

Promovido pelo grupo Contação da Alegria, a apresentação conta a história de um menino que não aceita o próprio cabelo grande e crespo. O evento acontecerá no dia 26 de novembro, às 15h, no Espaço Cultural Alagados (rua Direita do Uruguai, s/n - fim de linha do bairro Uruguai). A entrada é gratuita.


Aproveite esta oportunidade e leve as suas crianças!!!!




Uma lagarta muito comilona

Vocês sabem o que é um livro pop-up? Os livros pop-up maravilharam muitos de nós na infância. As estórias são contadas de maneira dinâmica e surpreendente, na forma de ilustrações em dobraduras de papel que saltam dos livros que dão movimento e vida à nossa imaginação.

E não são apenas as crianças que ficam encantadas por este tipo de publicação, talvez por misturar de forma tão delicada e lúdica engenharia do papel, arte e design, adultos também ficam maravilhados com esse tipo de obra.

A dica do Catavento Colorido de hoje, é justamente um livro neste formato. Uma lagarta muito comilona é uma boa pedida para os pequenos. Na história, uma lagarta que estava com muita, muita fome, sai comendo de tudo, até mesmo um pedaço do livro! Através de repetições, o enredo familiariza a criança com os dias da semana e os números de 1 a 5.

As ilustrações são coloridas e animadas, aliadas ao pop-up, fazem com que as crianças mergulhem no mundo da lagarta. Uma forma muito bacana de falar sobre a natureza e seus processos de transformação.
Autor: Eric Carle 
Editora: CALLIS



Brincar com terra faz bem à saúde

Infelizmente o crescimento acelerado das grandes cidades vem trazendo mudanças negativas na vida das crianças. Enquanto há 20 anos era frequente encontrarmos casas com quintal, hoje o que vemos são apartamentos em condomínios que parecem mais clubes: espaços separados por grades, piscinas, quadras, brinquedoteca, salão de jogos... mas nada de terra, o que torna o contato com a natureza cada vez mais raro.

Isso mesmo! Quem foi criança até os anos 1990, ou quem ainda mora em bairros que mais parecem interior sabe muito bem do que estamos falando. Brincar na terra, além de ser muito divertido, é também saudável: fortalece a imunidade! 

Uma pesquisa da Universidade de Bristol, na Inglaterra, comprovou que uma bactéria pode ajudar na produção da serotonina (substância responsável pelo bem-estar) e ela está justamente na terra. Com o nome de Mycobacterium Vaccae, a bactéria tem ação semelhante aos antidepressivos e ajuda a aumentar as taxas de serotonina e a diminuir a ansiedade.

Se você tem um quintal, ou pelo menos um espaço mínimo de terra, não tenha receio de deixar o seu pimpolho brincar. Dê a ele a possibilidade de cavar, pegar minhocas (eu fazia muito isso!), se sujar de lama, regar as plantas, tocar nas flores.

Bom, se você mora em casa, mas não tem um quintal, não se preocupe! Você pode aproveitar e fazer um canteiro, deixando as crianças mexerem com a terra e até te ajudarem a plantar as mudinhas. Será uma ótima oportunidade para deixá-los em contato com a natureza.

Agora, caso o seu espaço seja ainda mais limitado, como um apartamento, também não se preocupe! Em Salvador existem parques, como o de Pituaçu e o da Cidade, onde os pequeninos podem aproveitar para correr (e sim!) se sujar na terra.

Ah, mas não esqueça: é na infância que se aprende as maiores lições para levar pelo resto da vida e aprender a respeitar a natureza é uma delas. Contudo, oriente as crianças a lavarem as mãos depois de brincarem na terra, especialmente se forem consumir algum alimento :)

Picolé de semáforo

Ontem, trouxemos uma dica de livro que mistura culinária e literatura infantil. Hoje, a nossa sugestão de receitinha vem de um livro que também foi pensado para crianças que são iniciantes nas aventuras culinárias. 

A receita foi retirada do livro "Meu primeiro livro de culinária. Divirta-se na cozinha!", da autora Annabel Karmel, e publicado pela Publifolha.

Vamos fazer um picolé semáforo! Uma delícia de parar o trânsito (desculpem o trocadilho, não resisti!). Para isso, você vai precisar basicamente só de frutas que tenham a cor verde, vermelha e amarela e açúcar. A aparência do picolé é divertidamente colorida, daí o nome semáforo. Vamos à receita?

Ingredientes
¼ de melancia pequena (ou morango)
3 Pêssegos grandes e maduros (pode ser abacaxi, manga, etc.)
5 kiwis grades e maduros
3 colheres de sopa de água
90 gramas de açúcar
Palitos para picolé

Como faz?
Tire as sementes da melancia e coloque a fruta no liquidificador. Misture 30 g do açúcar com 1 colher de sopa de água em um copo e despeje no liquidificador. 

Faça um purê com a fruta e despeje-o em moldes para picolé, até completar um terço da altura da forminha. Leve à geladeira até endurecer um pouco.

Descasque os pêssegos e coloque-os no liquidificador. Misture 30 g do açúcar com 1 colher de água em um copo e despeje no liquidificador. Faça um purê com a fruta e despeje na forma que já tem a melancia congelada. Fique atento para atingir até 2/3 da altura da forma. Leva à geladeira até endurecer mais um pouquinho.

Agora é a vez do semáforo verde. Repita a operação da mesma maneira que fez com as outras frutas. Despeje o purê da fruta até completar a forma. Encaixe os palitos de picolés em cada molde e leve à geladeira até endurecer completamente.

Pronto! Agora é só saborear essa delícia refrescante e divertida!

Vamos pular amarelinha?

Como aqui no “Meu Catavento Colorido” nós queremos falar sobre crianças e, claro, resgatar brincadeiras antigas, nada como lembrar daqueles dias ensolarados em que uma galera se reunia na porta de casa e com um giz ou uma pedra (pedacinho de bloco) desenhava no chão uma linda amarelinha!

Quer relembrar esse tempo e ensinar para os pequenos como brincar?

Com um giz branco (daquele utilizado pelos professores), desenho o diagrama. O traçado tradicional é um retângulo dividido em retângulos menores, que vamos chamar de casinhas, numerados de um a dez. Acima do diagrama faça uma meia-lua e coloque a palavra “céu”.

Para jogar, é preciso ficar atrás do traçado com o numeral 1. Cada jogador terá uma pedrinha na mão, que deverá ser lançada na primeira casinha. O primeiro jogador joga a pedrinha na casinha 1 e vai pulando com apenas um pé até o céu (lembrando que nos locais onde tiverem dois números (um ao lado do outro) me permitido colocar os dois pés (um em cada número).

Depois de chegar no “céu”, o jogador retorna, do mesmo jeito como foi (com apenas um pé; e os dois onde tiverem dois números, um ao lado do outro). Quando chegar ao número 2, o jogador (ainda com um pé), deve se abaixar para pegar a pedrinha na casa 1, mas não pode pisar nessa casa. Do número 2 ele deve pular diretamente para a saída.


Crianças a partir de 3 anos podem participar! A brincadeira é muito divertida!


Juju na cozinha do Carlota

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) orientou pediatras do Brasil inteiro a “receitar” livros! A medida visa estimular o aumento das conexões cerebrais nos pequenos por meio da leitura feita a eles pelos pais ou por pessoas próximas.

Por essa e por outras, que nós aqui do Catavento sempre enfatizamos a importância dos pais estimularem seus filhos a lerem. 

Outra coisa que sempre ressaltamos aqui, é o valor que há em pais e filhos realizarem atividades prazerosas! E sempre falamos sobre cozinhar juntos! Hoje, resolvemos unir as duas coisas e trouxemos uma dica de livro que vocês certamente vão gostar.


O livro é da autoria de Carla Pernambuco e se chama Juju na Cozinha do Carlota. A Juju do título, filha da escritora, com apenas sete anos se aventurava na cozinha do restaurante da mãe. 

No livro, Juju e Carla apresentam receitas fáceis, que podem ser preparadas apenas pelas crianças ou “só com um pouquinho de ajuda de um adulto”. A autora apresenta a cozinha como ponto de encontro, recinto acolhedor de muitos amigos e familiares.

Juju na cozinha do Carlota
Autora: Carla Pernambuco
Ilustradora: Pinky Wainer
Editora: Caramelo


Instrumentos musicais construídos na Escola de Irmã Dulce beneficiarão crianças

A obra não pode parar. Parece clichê, mas é a mais pura verdade, especialmente quando se reflete sobre a necessidade de formação das crianças. Diante disso, o Centro Educacional Santo Antônio (CESA) – das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) - e o NEOJIBA inauguraram, em Simões Filho, o Atelier Lutheria de Plástico, com o objetivo de dar um novo sentido à vida de meninos e meninas não apenas em Simões Filho, mas em toda a Bahia.

Com o atelier serão fabricados instrumentos musicais, como instrumentos sinfônicos de cordas, violoncelos e contrabaixos a partir de canos de PVC. Esses instrumentos serão a porta de entrada para inúmeras crianças e adolescentes que desejam mergulhar no mundo da música.

Com este espaço, o projeto Orquestra Plástica passa a ter dois ateliês em funcionamento no Estado (o outro se encontra em Angical). A iniciativa prevê a integração de atividades de formação musical do Núcleo de Prática Orquestral e Coral (NPO).

Mas, como funciona?

O atelier vai acolher parte das ações previstas na segunda etapa do Orquestra Plástica do NEOJIBA, projeto que articula, por meio da música, os campos da sustentabilidade e da inclusão socioprodutiva. Os “luthiers” do NEOJIBA trabalham com a pesquisa e o aprimoramento de técnica de construção de instrumentos sinfônicos a partir da matéria-prima do plástico, sob a orientação do luthier suíço Andre-Marc Huwyler.

De acordo com o diretor geral do NEOJIBA, Ricardo Castro, a proposta central visa promover a acessibilidade à formação musical. “Os instrumentos que serão produzidos em Simões Filho serão usados para as atividades de iniciação musical nos nossos núcleos e no projeto NEOJIBA nos Bairros. Será uma oportunidade para oferecer a mais crianças acesso a instrumentos musicais”, ressalta o maestro.

A meta, nesta segunda etapa que será realizada já em Simões Filho, é produzir 120 instrumentos. Vale destacar que os instrumentos feitos com cano PVC têm maior durabilidade em decorrência da resistência à umidade, maior resistência a impactos físicos e menor custo de manutenção. Além de serem fabricados com matéria-prima reutilizável.

Iniciativas como essa, que beneficiam crianças e adolescentes, precisam e devem ser divulgadas!




Sorvete caseiro de frutas congeladas


O calor nestes últimos dias está intenso, por isso, alimentos que refresquem caem muito bem!Testei uma receitinha maravilhosa que vai refrescar e alimentar de forma saudável os pequenos. 

Aproveite as frutas da estação, ou as da sua preferência, e faça esse gostoso sorvete! Eu fiz com morangos e banana, mas vocês podem usar mamão ou abacate, por exemplo. É aprovação garantida!



Ingredientes

- 250 g de morango congelados
- 250 g de banana em rodelas congeladas
- 2 colheres de creme de leite
- Essência de baunilha
- Açúcar ou adoçante à gosto (eu coloquei uma colher de leite moça no lugar do açúcar)


Modo de preparo
1. Congele pedaços de morango e banana;
2. Triture-os num processador de alimentos;
3. Adicione 2 colheres creme de leite, essência de baunilha e adoce à gosto;
4. Continue batendo até a mistura ficar homogênea;

5. Deixe o creme no freezer por 3 horas e aproveite o sorvete!

O resultado é uma massa cremosa!


Dica: Experimente servir o sorvete junto com um bolinho de sua preferência. Servi em casa com bolo de laranja e ficou divino!




Qual a quantidade de sal que pode ser consumida por bebês de até 1 ano?

Oferecer alimentos saudáveis às crianças nos primeiros anos de vida é fundamental para que elas cresçam com saúde. Embora os pediatras recomendem que os bebês se alimentem apenas de leite materno até os seis meses, é comum escutar de mamães que com três ou quatro meses elas começaram a inserir outros tipos de alimentos, como chás e papinhas. A desculpa é sempre a mesma: “meu bebê chorava com fome. Apenas o leite materno não o sustentava”.

Está bem. Existem casos e casos. Mas a alimentação é algo que não se pode descuidar. Você que é mamãe já procurou saber qual a quantidade exata de sal que um bebê, com idade até 1 ano, pode consumir? Pois é, se você começou a dar papinha para o seu filho antes do momento recomendado pelos médicos, fique atenta.

Lógico que o sal moderadamente não faz mal, é necessário para o corpo humano e a falta dele pode causar inúmeros problemas ao organismo. Mas se a quantidade ingerida é elevada... aí também está um grande problema.

Mas, como saber a quantidade correta? A partir dos seis meses de idade – momento em que outros tipos de alimentos começam a ser introduzidos – deve-se levar em consideração o peso da criança. Aquelas com idades entre 6 e 11 meses (que pesam entre 8kg e 11kg) devem ingerir cerca de 200 miligramas de sal por dia, quantidade encontrada facilmente em 400 ml de leite materno (sim, o leite materno contém sal!), em um biscoito, ou em um pedaço de carne. Já aquelas crianças que pesam um pouco mais (entre 12kg e 15kg) devem ingerir cerca de 260 miligramas de sódio por dia.

Já falamos acima, mas é sempre é importante lembrar que até os seis meses a criança deve apenas ser alimentada de leite materno. A partir dessa idade o paladar dos pequenos começa a se adaptar aos alimentos que são introduzidos na dieta. Se a mamãe coloca muito sal, isso poderá acostumá-los a uma alimentação salgada, o que tornará mais difícil fazer com que eles se alimentam quando a comida tiver menos sal. Além disso, o excesso de sal pode prejudicar os rins do bebê.

Dicas: como os bebês necessitam de pouquíssimo sal, ao começar a introduzir outros alimentos, como sopas e papinhas, tente não acrescentar sal. O sal contido nas verduras, legumes e frutas já é suficiente; e nunca dê aos pequenos comidas industrializadas feitas para os adultos.


Quem Comenta!

Faça contato!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Divulgue o Catavento!!!

MEU CATAVENTO COLORIDO

Translate!

Números

MEU CATAVENTO COLORIDO - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015
Desenvolvimento EMPORIUM DIGITAL