À distância: em meio à pandemia, educadores apostam em aulas lúdicas

Maria Rocha é pedagoga e especialista
em Psicopedagogia
Mariana tem apenas sete anos e está no segundo ano do Ensino Fundamental 1. A escola onde ela estuda, adotou as aulas online para este tempo de pandemia, quando se faz necessário o isolamento social. Já são quase nove meses sem ver, pessoalmente, os coleguinhas, mas Mariana segue firme nos estudos, sempre com a ajuda e orientação dos pais e dos professores. Esta experiência vivenciada pela pequena, estende-se a milhares de outros brasileirinhos. "No início, não foi fácil, pois ela queria ver, tocar, brincar. Aos poucos fomos conscientizando a Mariana que este momento é complicado, mas que até na distância é possível estarmos presentes", afirma Rosana dos Santos, mãe da Mariana.


Se para os meninos e meninas estudar através de um tela, seja ela de celular, computador ou tablet, é difícil, imagine para os professores e professoras que precisaram se reinventar. "Eu preparo as aulas com muito carinho e, quando chega o horário, fico feliz em ver os meus alunos online. Quando a criança vai à escola, ela não vai apenas para aprender o conteúdo das disciplinas, mas também, e principalmente, para estar em contato e se relacionar com outras crianças e com os professores. Com a pandemia, elas ficaram privadas deste contato", afirma a psicopedagoga Maria Rocha.



Para tentar driblar esta falta de contato físico e também para ajudar os alunos a aprenderem, mesmo à distância, Maria Rocha organiza as aulas de modo que elas fiquem ainda mais atraentes. "Eu procuro ter sempre atrás de mim elementos que chamem a atenção deles e que possam ser acrescentados à aula que estou ministrando. Pode ser um quadro, um desenho ou até mesmo jogo da memória ou a tabuada. De forma geral, percebo que quanto mais lúdica a aula, mais os alunos absorvem o conteúdo", diz.



A mãe de Mariana concorda. Para ela, o ensino remoto associado à interatividade estimula as crianças a terem o desejo de aprender cada vez mais. "Eu observei que as aulas com mais elementos, como brincadeiras, perguntas e respostas, ou seja, mais interativas, conseguem prender mais a atenção da Mariana, e eu acredito que a atenção dos coleguinhas dela também, afinal eu consigo escutar a participação animada deles", conta Rosana.



"Apesar de toda a preparação com a aula e de toda a dedicação, sabemos que as aulas remotas têm muitos desafios a serem enfrentados, mas nós conseguiremos vencer. Este momento também tem disso muito importante para que as crianças percebam que não devemos parar diante das dificuldades e que sempre podemos nos reinventar", afirma a psicopedagoga Maria Rocha.



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Quem Comenta!

Faça contato!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Divulgue o Catavento!!!

MEU CATAVENTO COLORIDO

Translate!

Números

MEU CATAVENTO COLORIDO - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015
Desenvolvimento EMPORIUM DIGITAL